Buscar
  • Beatriz Wollny

ENTENDENDO A SÍNDROME DE BURNOUT

A síndrome de Burnout, também chamada de síndrome do esgotamento profissional, se tornou conhecida pelo psicanalista nova-iorquino Freudenberger, após constatá-la em si mesmo, no início dos anos 1970.

A dedicação exagerada à atividade profissional, a busca incessante por ser o melhor, sempre demonstrando alto grau de desempenho e a medição da auto-estima pela capacidade de realização e sucesso profissional são características marcantes de uma pessoa que possui essa síndrome. O que tem início com satisfação e prazer termina quando esse desempenho não é reconhecido. Nesse estágio, a necessidade de se afirmar e o desejo de realização profissional se transformam em obstinação e compulsão. O paciente nesta busca sofre, além de problemas psicológicos, forte desgaste físico e mental.

Os sintomas são variados: fortes dores de cabeça, tonturas, tremores, muita falta de ar, oscilações de humor, distúrbios do sono, dificuldade de concentração e problemas digestivo, entre outros.


Existem doze estágios de Burnout:


1) Necessidade de se afirmar ou provar ser sempre capaz

2) Dedicação intensificada, com predominância da necessidade de fazer tudo sozinho e a qualquer hora do dia (imediatismo);

3) Descaso com as necessidades pessoais, tais como se alimentar, dormir, sair com os amigos, que começam a perder o sentido;

4) Recalque de conflitos – o portador percebe que algo não vai bem, mas não enfrenta o problema. É quando ocorrem as manifestações físicas;

5) Reinterpretação dos valores – isolamento, fuga dos conflitos. O que antes tinha valor sofre desvalorização: lazer, casa, amigos, e a única medida da auto-estima é o trabalho;

6) Negação de problemas – nessa fase os outros são completamente desvalorizados, tidos como incapazes ou com desempenho abaixo do seu. Os contatos sociais são repelidos, cinismo e agressão são os sinais mais evidentes;

7) Recolhimento e aversão a reuniões (anti-socialização);

8) Mudanças evidentes de comportamento (dificuldade de aceitar certas brincadeiras com bom senso e bom humor);

9) Despersonalização (evitar o diálogo e dar prioridade aos e-mails, mensagens, recados, etc);

10) Vazio interior e sensação de que tudo é complicado, difícil e desgastante;

11) Depressão – sentimentos de indiferença, desesperança, exaustão. A vida perde o sentido;

12) E, finalmente, a síndrome do esgotamento profissional propriamente dita, que corresponde ao colapso físico e mental. Esse estágio é considerado de emergência e a ajuda médica e psicológica uma extrema urgência.


A psicoterapia é muito importante no tratamento para fazer com que a pessoa perceba como e por que permitiu que a situação chegasse ao limite. Com o auxilio de um psicólogo, a pessoa precisará aprender a reorganizar o próprio tempo, identificando o que pode mudar, a fim de dar prioridade para a própria vida. Nesse contexto, é importante aprender a delegar responsabilidades e trabalhar em equipe, além de estabelecer horários rígidos de entrada e saída do emprego e não levar trabalho para a casa. Outro ponto essencial é separar um tempo para o lazer e para a atividade física.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM “ALIENAÇÃO PARENTAL” ?

Quando um casamento chega ao fim, os filhos precisam aprender a conviver com uma nova rotina gerada pelo desmanche dos laços que mantinham seus pais unidos. Separações acontecem com frequência, com as

VOCÊ ESTÁ SACRIFICANDO SUA VIDA PELO TRABALHO?

Você já escutou alguém dizendo que não tem tempo para nada? Que está trabalhando tanto que não tem tempo nem para respirar? Talvez você mesmo diga isso com alguma freqüência. O problema é quando um pe

DESENVOLVENDO A AUTO-ESTIMA NA INFÂNCIA

Você sabe o que é “auto-estima”? A auto-estima é o conjunto de crenças e sentimentos que temos sobre nós mesmos. É a forma como nos percebemos e nos definimos. A forma como desenvolvemos nossa auto-im

Tel: (21) 99816-0789