Buscar
  • Beatriz Wollny

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM “ALIENAÇÃO PARENTAL” ?


Quando um casamento chega ao fim, os filhos precisam aprender a conviver com uma nova rotina gerada pelo desmanche dos laços que mantinham seus pais unidos.

Separações acontecem com frequência, com as melhores e piores famílias. Ao classificar por “melhor” e “pior”, tomo como base o preparo emocional das mesmas. Nas “piores” famílias, sobra para os filhos os sentimentos de mágoa e rancor que contribuíram para o fim da relação.


A alienação parental sempre esteve presente na sociedade. Acontece assim: um dos pais, que normalmente não foi quem tomou a decisão sobre a separação, acaba procurando pelo apoio dos filhos, fazendo com que eles escolham seu lado e fiquem contra o outro. Essa pessoa intencionalmente ou não, acaba manipulando seus filhos para que estes se afastem e até mesmo tenham um sentimento de raiva daquele que resolveu acabar com a relação.

Inicialmente, de forma sutil, o alienador busca desmerecer o outro genitor perante os filhos, desvalorizando e evidenciando as fraquezas do mesmo, no papel de pai e pessoa. Com o tempo o contato entre o alienado e os filhos passa a ser rompido.


Normalmente são as mães as maiores alienadoras, já que a guarda é normalmente dada à elas, mas o contrario também pode acontecer.

Certa vez, durante um atendimento com os pais de uma criança que atendia em meu consultório, presenciei a o seguinte relato:


Márcia*, mãe de João*, 6 anos, descreveu a cena de uma briga com o então marido, Henrique*, enquanto seu filho assistia os dois discutindo. Após muitos xingamentos, Henrique* segurou o rosto de seu filho, olhando fixo em seus olhos, e repetiu diversas vezes “Papai vai embora, vai te deixar sozinho, por culpa da sua mãe. Sua mãe é louca. Papai vai embora por causa dela.”


Obviamente esta situação não é nada saudável para os filhos, que se encontram divididos entre pai e mãe. Esta obrigação à escolha gera sentimentos como ansiedade e angustia, podendo até mesmo levar à um quadro de depressão.


É primordial que os filhos sejam deixados de fora nas brigas de casais. Os filhos precisam ter em seus pais um porto seguro. A presença, tanto materna quanto paterna, é fundamental na formação de uma criança.


Havendo enorme dificuldade em deixar seus filhos fora de um quadro de separação, é recomendável buscar auxilio de um psicólogo, para que esta criança tenha o suporte de um profissional durante este momento tão delicado e doloroso no ambiente familiar.


*Nomes e idade foram alterados para garantir a privacidade das pessoas citadas.

75 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

VOCÊ ESTÁ SACRIFICANDO SUA VIDA PELO TRABALHO?

Você já escutou alguém dizendo que não tem tempo para nada? Que está trabalhando tanto que não tem tempo nem para respirar? Talvez você mesmo diga isso com alguma freqüência. O problema é quando um pe

DESENVOLVENDO A AUTO-ESTIMA NA INFÂNCIA

Você sabe o que é “auto-estima”? A auto-estima é o conjunto de crenças e sentimentos que temos sobre nós mesmos. É a forma como nos percebemos e nos definimos. A forma como desenvolvemos nossa auto-im

SETE DICAS PARA CONTROLAR A ANSIEDADE

A ansiedade é um estado caracterizado pelo sentimento de apreensão, desconforto, medo, mal-estar, insegurança, estranheza do ambiente ou de si mesmo e, muito freqüentemente, pela sensação de que algo